Salmão cultivado versus salmão selvagem: revisão de pesquisa

 Salmão cultivado versus salmão selvagem: revisão de pesquisa
03 de Outubro de 2017 por David Trilling 

Evidenciado pelo rápido crescimento da indústria de criação de salmão, o salmão é um dos peixes mais populares do mundo. O volume de salmão do Atlântico cultivado aumentou quase 1.000 por cento entre 1990 e 2015.

De acordo com estatísticas das Nações Unidas; 75% de todo o salmão que comemos é criado em fazendas. Salmão selvagem, entretanto, tornou-se um luxo; é mais difícil de encontrar e geralmente mais caro.



A aquicultura é frequentemente saudada como uma solução para alimentar nosso planeta em crescimento. Um estudo de 2017 na Nature Ecology & Evolution estima que as fazendas de peixes podem produzir 15 bilhões de toneladas de peixes por ano, mais de 100 vezes mais frutos do mar do que os humanos comem atualmente. No caso do salmão do Atlântico – a variedade cultivada mais popular – essas fazendas consistem em grandes gaiolas ancoradas no mar, principalmente na Noruega, Chile, Canadá e Escócia. As gaiolas marinhas são suscetíveis a parasitas como piolhos do mar e outros predadores, que os piscicultores costumam combater com pesticidas e outros produtos químicos.

Um crescente corpo de pesquisas – acompanhado por uma explosão de reportagens na mídia com informações conflitantes – sugere que os consumidores têm dúvidas sobre o salmão de viveiro e os riscos que ele pode representar para a saúde e o meio ambiente. Esta breve visão geral identificará tendências na pesquisa acadêmica e cobertura da mídia: os riscos de piolhos do mar e pesticidas, uso de antibióticos e preocupações ecológicas.

Salmão cultivado versus salmão selvagem
Fazenda de salmão na Noruega.

Salmão saudável

Existem muitos tipos de peixes na família Salmonidae: salmão rosa, chinook (Salmão-Rei), salmão sockeye (Salmão Vermelho), truta. Aqui, nos concentraremos principalmente no salmão do Atlântico de viveiro e no salmão selvagem, que inclui várias subespécies. Todos fornecem nutrientes importantes, como vitamina B12, vitamina D e proteínas. Seus ácidos graxos ômega-3 (popularmente conhecidos como “gorduras boas”) “reduzem o risco de doenças cardiovasculares em adultos e promovem a visão saudável e o desenvolvimento do cérebro em bebês”, de acordo com o Departamento de Saúde do estado de Washington.

Mas um artigo de 2016 na Nature descobriu que nos 10 anos anteriores, o ômega-3 no salmão de viveiro caiu cerca de 50 por cento porque as fazendas estavam deixando de alimentar com sua farinha de peixe de salmão (pedaços de peixe moídos) e substituindo por fontes vegetais, como soja. Além do mais, o salmão do Atlântico de viveiro tem três vezes mais gordura saturada (o tipo ruim de gordura) do que o salmão selvagem do Pacífico, de acordo com o Departamento de Agricultura dos Estados Unidos. (A maior parte do salmão selvagem vendido nos Estados Unidos é do Pacífico.)

Contaminantes

O salmão é carnívoro. Eles têm um gosto por camarões e pequenas criaturas marinhas chamadas plâncton e outros peixes. Mas os fazendeiros não podem dar-lhes uma dieta tão rica. Em vez disso, os criadores de salmão alimentam seus estoques com pelotas de soja, milho, outros peixes moídos (farinha de peixe) e, às vezes, antibióticos para combater doenças.



Claro, os oceanos estão longe de ser intocados e todos os peixes têm alguns contaminantes. Os pesquisadores encontraram mercúrio no salmão selvagem, embora não esteja claro se a quantidade é maior no salmão cultivado ou no selvagem. Pequenos pedaços de entulho de plástico também são uma  preocupação crescente, tanto em peixes selvagens quanto criados em fazendas. (Esses plásticos geralmente contêm desreguladores endócrinos, que imitam os hormônios sexuais e confundem nossos corpos.) Aqui estão algumas outras preocupações:

Dioxinas

Em meados da década de 2000, vários estudos importantes levantaram preocupações sobre dioxinas e outros poluentes orgânicos persistentes (POPs) no salmão de viveiro. As dioxinas, diz a Organização Mundial de Saúde, “podem causar problemas reprodutivos e de desenvolvimento, danificar o sistema imunológico, interferir nos hormônios e também causar câncer” em humanos. Embora possam ocorrer naturalmente, as dioxinas são principalmente subprodutos industriais que se acumulam na cadeia alimentar. Pointing to dioxins, um estudo de 2004 na Science alertou que “o consumo de salmão do Atlântico de viveiro pode representar riscos que prejudicam os efeitos benéficos do consumo de peixe”, destacando o salmão cultivado na Escócia e nas Ilhas Faroe. O salmão cultivado no estado de Washington e no Chile, disse o jornal, apresentou níveis mais baixos de toxinas. Trabalhos posteriores produziram resultados semelhantes.

Mas a indústria pode estar mudando. Um estudo de 2015 descobriu que o nível de alguns contaminantes, incluindo dioxinas, caiu no salmão cultivado na Noruega entre 1999 e 2011. Mais recentemente, um estudo de 2017 encontrou níveis mais elevados de dioxina no salmão selvagem do Atlântico do que no salmão do Atlântico de viveiro norueguês.

PCBs

Vários estudos também levantaram preocupações sobre os bifenilos policlorados, ou PCBs, tanto no salmão de viveiro quanto no selvagem. Os PCBs são “produtos químicos sintéticos oleosos que eram usados ​​em equipamentos elétricos e como aditivos para tintas, plásticos e outros produtos” até os anos 1970, de acordo com a Harvard Medical School, que observa que eles podem causar câncer. Os PCBs são encontrados em níveis elevados em peixes menores, como anchovas e arenques, que são então usados ​​para alimentar o salmão. Um estudo de 2016 descobriu que as mudanças na composição da ração em fazendas de peixes norueguesas resultaram na queda dos níveis de PCB.



“Corante vermelho”

A carne do salmão é naturalmente vermelha, pelo menos na natureza, porque o salmão se alimenta de krill e camarão que contém um composto chamado astaxantina (também torna os flamingos “rosados”), que ajuda a prevenir o câncer e o envelhecimento. Mas o salmão de viveiro geralmente não recebe uma fonte natural de astaxantina em sua dieta. Sua carne é, em vez disso, congenitamente cinza. Os consumidores gostam do rosa do salmão. Assim, os fazendeiros alimentam seus peixes com astaxantina sintetizada – às vezes feita de milho e às vezes de produtos petroquímicos – para “pigmentar” o salmão. Existem poucos estudos sobre o efeito de longo prazo da astaxantina sintética.

Salmão cultivado versus salmão selvagem
A carne do salmão é naturalmente vermelha, pelo menos na natureza.

Antibióticos

O uso de antibióticos na agricultura durante décadas forneceu ampla evidência de propagação da resistência dos alimentos para os humanos. Uma tendência semelhante parece estar acontecendo com peixes de viveiro também: “O recente crescimento da aquicultura está contribuindo para o desenvolvimento dos mesmos mecanismos de resistência também vistos na produção agrícola”, disse uma meta-análise de 2015 publicada pela American Association of Pharmaceutical Scientists.

Mas a indignação pode ter tido algum efeito sobre o uso de antibióticos na aquicultura, sugere este estudo de 2013 sobre a produção de salmão cultivado na Colúmbia Britânica.

Uma preocupação mais recente, detalhada em um artigo de setembro de 2017 na Environmental Science and Technology, é como os genes resistentes a antibióticos estão passando da farinha de peixe para as fazendas de salmão e para as bactérias do oceano que ameaçam os humanos.

Piolhos do mar

Dê uma mordida em um filé de salmão e a última coisa que você vai querer triturar é um parasita do tamanho de uma ervilha. Mas os piolhos do mar se tornaram um problema caro para os criadores de peixes nos últimos anos, custando apenas à indústria norueguesa do salmão quase meio bilhão de dólares em 2011, de acordo com um estudo de 2017.



Uma solução são os pesticidas. O benzoato de emamectina é freqüentemente usado para tratar piolhos do mar, embora o governo escocês tenha lutado com um grupo comercial local por sua segurança, com as autoridades pedindo uma redução acentuada no uso. Seu efeito, além disso, pode estar diminuindo, sugere um estudo.

Piscicultores também usam piretróides. Um estudo de 2017 da Food and Chemical Toxology encontrou piretróides em 100% das amostras de salmão cultivado e, embora em níveis muito mais baixos, em 50% das amostras de salmão selvagem. Os autores observam que a substância química não foi encontrada em níveis altos o suficiente para representar uma ameaça aos humanos, mas lembram aos leitores que os piretróides podem ter efeitos tóxicos em mamíferos.

Os pesquisadores estão procurando tratamentos alternativos. Alguns estão desenvolvendo lasers para atacar os piolhos; outros procuram criar salmão ao lado de mexilhões e vieiras, que podem comer larvas de piolhos marinhos.

Ecossistemas e contaminação de peixes selvagens

Milhares de salmões do Atlântico escaparam de uma fazenda ao largo do estado de Washington em agosto de 2017, introduzindo uma espécie não nativa em um delicado ecossistema e destacando as preocupações sobre a transferência de parasitas e doenças para a natureza, onde não podem ser tratados. O Proceedings of the National Academy of Sciences publicou vários estudos sobre como a aquicultura pode impactar os mecanismos de defesa natural das populações de peixes selvagens. Um artigo publicado na Ecological Economics avalia o impacto econômico da transmissão de piolhos do mar de fazendas de peixes para estoques de salmão selvagem no Pacífico canadense.

Qual é o próximo? Salmão geneticamente modificado

Em 2015, a Food and Drug Administration (FDA), um regulador federal, aprovou a venda para consumo de salmão geneticamente modificado. O salmão AquAdvantage, projetado pela AquaBounty com sede em Massachusetts, cresce duas vezes mais rápido que o salmão do Atlântico, diz a empresa, em tanques em terra. Mas um debate sobre a rotulagem atrasou as vendas nos Estados Unidos, com críticos, incluindo a senadora do Alasca Lisa Murkowski, ridicularizando o salmão AquAdvantage como “frankenfish”. (O Alasca abriga a maior indústria de salmão selvagem do mundo, que foi prejudicada pelo aumento da produção de salmão.)

Outros recursos:

A Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO), o Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA), o Serviço de Pesca e Vida Selvagem do Departamento do Interior, o Serviço Nacional de Pesca Marinha da Administração Oceânica e Atmosférica NacionalMinistério Canadense de Pesca e Oceanos.

Citações:


David Trilling foi redator da equipe de 2016 a 2018. Ele veio para a Journalist’s Resource da Columbia Business School, onde foi bolsista da Knight-Bagehot. David trabalhou por 10 anos na ex-União Soviética e no Oriente Médio, mais recentemente como correspondente do The Economist para a Ásia Central e como editor da EurasiaNet.org. Ele escreveu para Foreign Affairs, Foreign Policy, The Nation, The Guardian e outras publicações. Suas fotos apareceram em dezenas de periódicos e podem ser vistas em seu site: davidtrilling.com. Twitter: @dtrilling.

Este artigo apareceu pela primeira vez em Journalist’s Resource e é republicado aqui sob uma licença Creative Commons.


Leia também:


IMAGENS:
Destaque: por webandi de Pixabay
2 – imagem fazenda de salmão: por gerdmeissner de Pixabay
3 – imagem posta de salmão: por congerdesign de Pixabay





EuPOSSOmudar

O EuPOSSOmudar tem como propósito informar, esclarecer, elucidar, inspirar, debater, apresentar conteúdos atuais e confiáveis, relacionados a saúde, alimentação, bem-estar, exercícios, suplementação e comportamento, para que você possa refletir, analisar e decidir por promover mudanças em seus hábitos rotineiros em busca de uma melhor qualidade de vida, saúde, satisfação pessoal, para assim ser mais feliz.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

quatro × 4 =