Resíduos COVID: Como gerenciar resíduos perigosos na pandemia atual

 Resíduos COVID: Como gerenciar resíduos perigosos na pandemia atual
14 de Agosto de 2020 por Richard Seifman

Com os resíduos da COVID, lidamos e lidaremos com duas categorias distintas de resíduos, os das “unidades de saúde” e os “de fora”. 

A eliminação de resíduos perigosos é uma das medidas mais importantes para evitar mais transmissão de doenças, mas na atual pandemia, a eliminação apresenta desafios específicos. A gestão de resíduos COVID dependerá em grande parte do que aprendemos e usamos com a pandemia de HIV / AIDS. 



Infelizmente, as duas pandemias não seguiram o mesmo caminho de transmissão. Mas aprendemos algo com a pandemia de HIV / AIDS: foi um alerta mundial para a necessidade de lidar com o material residual potencial que pode infectar outras pessoas além das próprias infectadas. O HIV / AIDS foi e continua sendo uma ameaça terrível, mas seus meios de transmissão foram estudados, compreendidos, os tratamentos desenvolvidos e disponibilizados: 

“Para prevenir a transmissão sanguínea do HIV e outras doenças, os profissionais de saúde, o pessoal de emergência e outros que possam sofrer exposição ocupacional a sangue ou fluidos corporais são aconselhados a tomar precauções universais. Esta abordagem, que trata todos os fluidos corporais como potencialmente infecciosos, inclui o uso de luvas, aventais e óculos de proteção; o descarte adequado de resíduos … ”

Estamos em uma fase inicial de compreensão da COVID-19

HIV / AIDS – felizmente – não era uma doença infecciosa transmitida pelo ar. Estamos em uma fase inicial de compreensão da COVID-19, mas é um aerossol, transmitido de pessoa a pessoa sem qualquer contato físico direto. Como resultado, é muitas vezes mais difícil de conter e atinge praticamente todos os aspectos da população, do setor da saúde, de nossa economia e de nossas vidas. 

A concentração atual de esforços está correta em encontrar testes rápidos, terapêuticas e vacinas, fazer com que o público tome medidas de contenção para conter a transmissão e “achatar a curva”, e assim continuar. O que não recebeu o nível de atenção necessário é reconhecer e lidar com a possível transmissão de várias formas de resíduos relacionados a COVID-19. 

Com os resíduos da COVID, lidamos e lidaremos com duas categorias distintas de resíduos, os das “unidades de saúde” e os “de fora”. 

Resíduos COVID em estabelecimentos de saúde

Em primeiro lugar, como lidar com os resíduos de cuidados de saúde. Estas são instalações médicas, sejam clínicas, postos de saúde, hospitais, que em grande parte têm protocolos definidos, regulamentos e supervisão por autoridades. Existem também laboratórios médicos e instalações de pesquisa biomédica que são regulamentadas de forma semelhante.



Em termos gerais, os resíduos de saúde podem ser descritos como qualquer coisa que contenha sangue suficiente ou outros materiais potencialmente infecciosos para disseminar patógenos transmissíveis pelo sangue. Isso inclui itens como agulhas, seringas, bisturis. tecido humano / animal, culturas de laboratório, equipamento de proteção individual, resíduos de pacientes infectados com doenças altamente transmissíveis. 

A gestão eficaz de tais resíduos biomédicos e de saúde requer identificação, coleta, separação, armazenamento, transporte, tratamento e descarte adequados, bem como desinfecção, proteção de pessoal e treinamento

Convenção de Basileia

Convenção de Basileia sobre o Controle de Movimentos Transfronteiriços de Resíduos Perigosos e Sua Eliminação (Convenção de Basileia) é projetada para reduzir os movimentos de tais resíduos entre as nações e evitar sua transferência de países desenvolvidos para países de baixa e média renda, e para minimizar a quantidade da toxicidade dos resíduos gerados. Suas Diretrizes Técnicas sobre a Gestão Ambientalmente Segura de Resíduos Biomédicos e de Saúde fornecem conselhos gerais, mas a orientação adaptada para COVID-19 ainda é um trabalho em andamento. 

A atenção aos resíduos de serviços de saúde e a aplicação das diretrizes variam de acordo com o país. Existem países de renda baixa e média que são mais proativos do que alguns países desenvolvidos, tomando medidas para reconhecer a extensão do problema existente e lidar com os desafios das unidades de saúde COVID-19. 



Resíduos perigosos COVID
Resíduos de saúde: agulhas, seringas, bisturis. tecido humano / animal, culturas de laboratório, equipamento de proteção individual, resíduos de pacientes infectados.

O Exemplo da Indonésia

A resposta da gestão da Indonésia, por meio de seu Ministério do Meio Ambiente e Florestas e do Ministério da Saúde, trabalhando em colaboração com a OMS, é um exemplo notável. 

O governo indonésio percebeu logo no início que tinha apenas 82 hospitais com incineradores licenciados em suas instalações, de quase 2.900 hospitais no país. Portanto, a maioria dos hospitais teve que contar com fornecedores privados de gerenciamento de resíduos de saúde, a maioria dos quais (92%) estão localizados na ilha de Java. Conforme observado pela OMS, “a longa distância do hospital até o local de disposição final do lixo hospitalar pode aumentar o risco de despejo ilegal, contaminação cruzada e transmissão de doenças”. 

Reconhecendo os riscos, o governo indonésio planejou construir cinco instalações de gestão de resíduos nas províncias e estabeleceu um conjunto de medidas administrativas para acelerar as operações dos incineradores hospitalares disponíveis antes do licenciamento final. 

Resíduos COVID fora de instalações médicas

A segunda maior fonte de resíduos COVID é “externa”. O descarte de resíduos pessoais perigosos de COVID, como um assunto de campanhas de conscientização pública nas redes sociais, tem sido amplamente “perdido na confusão”, apesar de ser um assunto importante. Basta caminhar em áreas urbanas para ver a quantidade de máscaras descartadas que estão no chão. Sem falar nos oceanos:

Tais resíduos COVID no “domínio público” representam uma ameaça, seja os vários itens que uma pessoa positiva COVID-19 veste ou usa, como máscaras, protetores faciais, luvas ou outro equipamento de proteção pessoal, bem como materiais de limpeza agora usados extensivamente em locais públicos, como escolas, locais de culto, eventos públicos, lojas, ginásios, transporte público e outros prestadores de serviços. 



Durante uma situação de emergência como a COVID-19, o volume desses resíduos aumenta, o provável manuseio seguro e o descarte eficaz diminuem, o que se traduz em impacto secundário à saúde humana e ao meio ambiente. 

A quantidade diária desse tipo de material usado em todo o mundo é impressionante, mas apenas imaginada, pois não houve uma análise e avaliação aprofundada das quantidades ou riscos.

Transmissão de doenças

Tanto os resíduos perigosos da “instalação de saúde” quanto os “externos”, se mal tratados e descartados de maneira inadequada, apresentam riscos de transmissão de doenças secundárias para catadores, trabalhadores do lixo, crianças enviadas ou atraídas para locais de descarte de lixo, profissionais de saúde e a comunidade em geral. 

O nível de risco depende da natureza do resíduo, exposição, sensibilidade e capacidade adaptativa localizada. Embora esses resíduos possam causar danos imediatos a alguns indivíduos, outros afetarão potencialmente um número significativo de pessoas, direta ou indiretamente, por meio dos ecossistemas – por exemplo, poluindo a água e tornando-a insegura para beber ou lavar.

Resíduos perigosos da COVID
Durante uma situação de emergência como a COVID-19, o volume de resíduos perigosos aumenta muito, e o manuseio seguro com descarte eficaz diminuem.

Além disso, ambas as fontes resultam em uso de antimicrobianos e resistência antimicrobiana (RAM). RAM ameaça a prevenção e o tratamento eficazes de uma gama crescente de infecções causadas por bactérias, parasitas, vírus e fungos. O uso extensivo de antibióticos, antivirais e similares resultou em medicamentos disponíveis se tornando menos ou ineficazes, infecções persistentes, o risco de propagação para outras pessoas aumenta e o surgimento de “superbactérias”. 

RAM

RAM é um problema global significativo: os antimicrobianos são usados ​​extensivamente na alimentação animal para produzir comida animal, que é então consumida, e as quantidades residuais entram nos esgotos e nas fontes de água, em um círculo vicioso, aumentando ainda mais a resistência.

Em 16 de junho de 2020, a revista Clinical Infectious Diseases publicou pesquisas de oito especialistas médicos destacando o paralelo entre a pandemia de COVID e a resistência antimicrobiana, observando que esta era uma oportunidade de aprendizado mútuo: 

“O uso excessivo e inadequado de antibióticos em humanos e animais, e sua contaminação do meio ambiente, são contribuintes substanciais para a RAM… As duas emergências também estão interligadas. Há um impulso para recorrer aos antimicrobianos existentes em pacientes com COVID-19 em estado crítico, na ausência de tratamentos específicos quando o tratamento de suporte por si só não é suficiente. ”

Os pesquisadores devem agora começar a coletar dados para medir o impacto das políticas e programas atuais da COVID-19 sobre a RAM.

Uma vez que houve apenas atenção limitada para quantificar os resíduos de doenças infecciosas em uma base global para HIV / AIDS, malária e TB, não é nenhuma surpresa que tal pesquisa COVID-19 esteja em sua infância – se é que foi iniciada. 

Em vários graus, os países mantêm dados nos níveis institucional, municipal e nacional. Visto que não temos dados nem uma linha de base, os aumentos de resíduos potencialmente perigosos adicionados por COVID-19 são apenas especulativos, mas provavelmente significativos.  



Mas sabemos que o que é medido gera ação.  

O que é necessário para uma melhor eliminação de resíduos COVID

É provável que a COVID-19 fique conosco por muito tempo. Se começarmos a construir a base de evidências agora, saberemos melhor sobre os níveis, localizações e riscos, e como responder aos resíduos perigosos. 

A partir de agora, existem algumas etapas que podem ser executadas imediatamente:

  • Elevar o nível da consciência comunitária, nacional e global por meio da mídia social.
  • Finalizar as diretrizes COVID-19 da Convenção da Basiléia rapidamente e fazer com que os países as adotem e adaptem à sua situação.
  • Investir em infraestrutura de eliminação de resíduos e treinamento em todos os países.
  • Apoiar a pesquisa sobre os riscos de resíduos COVID-19, incluindo RAM, e para quantificar o tipo, localização e impacto ambiental e à saúde.

Além disso, isso provavelmente não será suficiente: será necessário adaptar, otimizar e se preparar continuamente para este e para futuros surtos epidêmicos / pandêmicos. A estrada é longa, mas precisamos começar o mais rápido possível.


Richard Seifman é membro do Painel de Revisão Técnica do The Global Fund, ex-Consultor Sênior de Saúde do Banco Mundial e Oficial Sênior do Serviço Exterior dos EUA.

Este artigo foi publicado originalmente em IMPAKTER.COM. Leia o artigo original.


Leia também:


IMAGENS:
Destaque: por raymediagroup de Pixabay
2 – Imagem recipiente com seringas e algodão: por kitzd66 de Pixabay
3 – Imagem máscara bem suja no chão: por distelapparath de Pixabay



EuPOSSOmudar

EuPOSSOmudar

O EuPOSSOmudar tem como propósito informar, esclarecer, elucidar, inspirar, debater, apresentar conteúdos atuais e confiáveis, relacionados a saúde, alimentação, bem-estar, exercícios, suplementação e comportamento, para que você possa refletir, analisar e decidir por promover mudanças em seus hábitos rotineiros em busca de uma melhor qualidade de vida, saúde, satisfação pessoal, para assim ser mais feliz.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

14 − sete =