Após a Covid, muitos pacientes tentam a terapia olfativa. Mas isso funciona?

 Após a Covid, muitos pacientes tentam a terapia olfativa. Mas isso funciona?
20 de Abril de 2021 por Maeve Gamble

A abordagem antes obscura da perda de olfato chamou a atenção do público. As evidências de que funciona, no entanto, são escassas.

EM UM EPISÓDIO RECENTE do popular podcast do New York Times The Daily, a crítica de restaurantes Tejal Rao descreveu sua experiência de perder o olfato após ter a Covid-19. “Qualquer tipo de carne me deixava um pouco enjoada”, disse ela, notando a estreita ligação entre o cheiro e o sabor. Para Rao, a pipoca era “como espuma, mas com pedaços pontiagudos”. Como muitos outros que perderam o olfato devido à doença, Rao partiu em uma jornada para recuperar sua capacidade de detectar odores, chegando finalmente a uma abordagem conhecida como terapia do olfato. No caso de Rao, implicava cheirar repetidamente em potes de quatro especiarias – cardamomo, cravo, canela e cominho. Quando se trata de tratar a disfunção olfatória, de acordo com as notas do podcast, a terapia do cheiro é “a única terapia que funciona comprovadamente”.



O episódio faz parte de um cenário crescente de cobertura da imprensa relatando um problema muito real: aproximadamente 5% da população global vive com uma capacidade olfativa significativamente reduzida, e cerca de 13,3 milhões de americanos relatam viver com algum tipo de disfunção olfativa. Esses números estão crescendo à medida que uma pequena porcentagem de pacientes recuperados da Covid-19 relatam perda contínua do olfato. Em resposta, alguns pesquisadores estão revisando o conceito de fisioterapia para o nariz, a fim de ajudar a restaurar o que a Covid-19 e outras doenças levaram embora. O único problema: a fisiologia nasal é incrivelmente difícil de estudar, e a terapia experimental – embora útil para alguns – não fornece o tipo de evidência que os médicos normalmente precisam para adotar amplamente um novo tratamento.

Terapia olfativa funciona?
Pacientes recuperados da Covid-19 relatam perda contínua do olfato.

Terapia questionável?

“Francamente, o treinamento do olfato é um tanto questionável”, diz Richard Doty, diretor do Centro de Cheiro e Gosto da Universidade da Pensilvânia. Embora a terapia tenha “captado a imaginação de leigos e também de cientistas”, diz ele, as evidências são “muito fracas de que tenha algum efeito”. Doty, um médico que publicou amplamente sobre disfunção olfatória, sugere que o treinamento do olfato “não funciona se você comparar a resolução espontânea” do olfato na ausência do treinamento. Em outras palavras, quaisquer melhorias podem ter ocorrido naturalmente ao longo do tempo. E outros pesquisadores observam que ainda não está claro quais pacientes podem se beneficiar com a intervenção, se houver.

O olfato importa

Pessoas com perda de olfato – ou anosmia – têm duas vezes mais chances de experimentar um evento perigoso relacionado ao olfato quando comparadas àquelas com olfato normal, de acordo com um estudo de 2014 publicado no Journal of the American Medical Association Otolaryngology. E o cheiro não é apenas uma ferramenta de sobrevivência que ajuda a detectar fogo e comida estragada, ele também influencia a qualidade de vida. Apesar disso, a maioria das pessoas não se importava muito com o olfato antes da pandemia, diz Shima Moein, neurocientista do Instituto de Pesquisa em Ciências Fundamentais em Teerã, Irã. “A Covid começou a mostrar às pessoas que isso realmente importa”, diz ela.

Claro, as pessoas experimentaram perda de cheiro a longo prazo por uma variedade de causas antes da pandemia atual: outras infecções virais, pólipos nasais que impedem que os odores cheguem aos receptores de cheiro, doenças neurodegenerativas, lesões físicas no cérebro ou no rosto – todos podem causar destruição no sistema olfativo. Além de um polêmico spray nasal de esteróides, isso deixa as pessoas com apenas uma opção de tratamento com qualquer estudo de apoio: o treinamento do olfato. 

Treinamento dos cheiros

Thomas Hummel, médico de ouvido, nariz e garganta e pesquisador da Clínica Smell and Taste em Dresden, Alemanha, foi a primeira pessoa a testar a intervenção em pacientes em uma clínica. Com base no que já se sabia sobre perfumistas e sommeliers, que passam por um treinamento rigoroso para aprimorar seu ofício, Hummel levantou a hipótese de que a exposição regular a cheiros discretos poderia ajudar os pacientes a recuperar suas habilidades olfativas. 



Para selecionar os aromas do estudo, Hummel recorreu ao prisma de odores. Desenvolvido por um psicólogo alemão em 1916, cada um dos seis cantos do prisma representa uma categoria de perfume: floral, frutado, picante, resinoso, pútrido e queimado. Muito parecido com uma roda de cores, cada odor deve caber em algum lugar do prisma. É um modelo simplista, admite Hummel, e na realidade alguns odores são bastante difíceis de classificar. No entanto, ele achou que era um ponto de partida útil para seu estudo. O objetivo era estimular diferentes tipos de receptores de cheiro, então ele selecionou aromas de quatro cantos diferentes. Durante um período de 12 semanas, os participantes do estudo cheiraram rosa, eucalipto, limão e cravo por dez segundos cada, duas vezes por dia, de manhã e à noite.

“Francamente, o treinamento do olfato é um tanto questionável”, diz Doty.

No estudo publicado por Hummel e seus colegas em 2009, cerca de 30 por cento daqueles que passaram por treinamento olfativo relataram uma melhora em seu olfato, em comparação com apenas 6 por cento – apenas uma pessoa – no grupo de controle. Ao final do estudo, aqueles que experimentaram melhora foram capazes de perceber cheiros em concentrações mais baixas, embora não tenham conseguido distinguir um cheiro de outro.

Mais de 20 estudos  

Desde aquele teste inicial, mais de 20 estudos demonstraram alguma melhora com o treinamento do olfato. Em uma entrevista – partes da qual foram publicadas no mês passado pela revista digital Neo.Life – o cirurgião de ouvido, nariz e garganta de Londres, Ontário, Brian Rotenberg, caracterizou as evidências como convincentes. “Há evidências bastante fortes por trás do treinamento do olfato como um meio eficaz de melhorar o sentido do olfato”, disse ele.

Mas Leigh Sowerby, também especialista em ouvido, nariz e garganta em Ontário e colega de pesquisa de Rotenberg, observou que o grau de recuperação em estudos que se comparam a um placebo foi modesto. “A melhora foi clinicamente significativa, mas por pouco,” diz Sowerby. Tanto Sowerby quanto Rotenberg acrescentaram que os benefícios incrementais ainda podem ter um impacto na qualidade de vida do paciente.



Sowerby diz que viu a terapia do olfato levar os pacientes da falta de olfato para ter um pouco de olfato. Por exemplo, um paciente que inicialmente descreveu a pizza como com gosto de papelão acabou detectando indícios de pepperoni e tomate. A pizza ainda não tem o gosto de antes, explica Sowerby, mas o paciente está pelo menos “recebendo alguma coisa”.

Treinamento dos cheiros. Quanto mais aromas melhor.
De acordo com Sowerby, adicionar aromas pode melhorar a eficácia da abordagem.

Quanto mais aromas melhor

A técnica original de treinamento do olfato inclui apenas quatro odores, mas de acordo com Sowerby, adicionar aromas pode melhorar a eficácia da abordagem – assim como o treinamento por um longo período de tempo. “Quanto mais você fizer isso, melhor será o seu resultado”, diz ele. “Isso é a coisa mais frustrante para os pacientes.” Em 2015, Hummel propôs um regime de treinamento de olfato modificado com uma ampla gama de odores, incluindo mentol, tomilho, tangerina, jasmim, chá verde, alecrim, bergamota e gardênia. O regime modificado mostrou-se mais eficaz do que a técnica original.


Leia também:


***

Detratores

MAS MESMO ESSAS modestas alegações de benefícios relacionados ao treinamento do olfato têm detratores. Doty, da Universidade da Pensilvânia, diz que é possível que a terapia do olfato possa ter algum efeito de “minuto” para os pacientes, mas “os estudos têm sido tão pobres” que não conseguiram mostrar até que ponto a terapia olfativa ajuda os pacientes a melhorarem com o passar do tempo. Por exemplo, enquanto o estudo de Hummel de 2009 empregou um teste validado da função olfativa, outros estudos se basearam em avaliações subjetivas de pacientes sobre sua capacidade de cheirar. Isso pode levar a resultados imprecisos, diz Doty, porque a perda de cheiro é frequentemente subnotificada e, sem testes objetivos, as pessoas tendem a subestimar o grau de sua perda de olfato.

De acordo com Moein, neurocientista do Instituto de Pesquisa em Ciências Fundamentais, uma limitação adicional é que em muitos estudos de olfato, os pacientes e pesquisadores sabem desde o início quais pacientes estão ou não recebendo o tratamento – um desenho de estudo que pode distorcer os resultados. “Isso tem sido problemático para muitos dos artigos sobre perda de olfato”, diz ela.

Algum efeito para algumas pessoas

Moein observa que o treinamento do olfato “pode ter algum efeito para algumas pessoas”, mas provavelmente depende da razão pela qual a perda do olfato ocorreu. Alguns dos estudos agruparam pessoas cuja perda do olfato se deve a várias causas, tornando difícil identificar por que alguns melhoraram e outros não após o treinamento. Por exemplo, uma pessoa que perdeu o olfato por causa da demência pode ter dificuldade em lembrar o nome de um odor ou as memórias associadas a ele; neste caso, o treinamento olfativo pode melhorar sua memória do odor. Por outro lado, se há algo errado com as células que revestem o nariz de uma pessoa, Moein não tem certeza de como o treinamento do olfato ajudaria. (É por isso que as comparações com perfumistas nem sempre se aplicam aos pacientes, diz Moein – esses trabalhadores usam o treinamento do olfato para refinar uma habilidade que já possuem.) 



Doty também aponta que outros sistemas sensoriais não podem ser treinados. “A cóclea tem algumas propriedades regenerativas”, explica ele, “mas se bombardear a cóclea com sons ou bombardear o sistema olfativo com cheiros realmente melhora o sistema é discutível.”

Moein também observa que, quando você tem problemas de visão, os médicos dizem para você usar óculos. “Eles nunca dizem para você olhar para linhas diferentes, verticais ou horizontais, várias vezes ao dia para recuperar a visão.” 

Terapia olfativa funciona?
Muitos pacientes que lutam com a perda do olfato dão boas-vindas à oportunidade de tentar algo.

Sem efeitos colaterais ou grandes desvantagens

De sua parte, Hummel reconhece que a maioria das pessoas com anosmia pós-viral se recupera sem treinamento e que a terapia com cheiros pode não ser apropriada para todos. Por exemplo, quando os pacientes perderam o olfato por muito tempo, “é um pouco problemático recomendá-lo”. Nesse ponto, diz ele, as pessoas muitas vezes se adaptaram à vida com disfunção olfativa e o treinamento do olfato pode ter um efeito psicológico negativo, lembrando-as de que não podem cheirar. É mais provável que Hummel recomende a intervenção a pacientes que sofrem de anosmia pós-viral ou pós-traumática. Para esses grupos, afirma Hummel, a pesquisa mostra que “quando as pessoas treinam o olfato, elas se recuperam mais rápido” e, provavelmente, de forma mais completa, ampliando o processo natural de recuperação.

Além disso, disse Hummel, muitos pacientes que lutam com a perda do olfato dão boas-vindas à oportunidade de tentar uma intervenção, especialmente uma sem efeitos colaterais ou grandes desvantagens. “A maioria dos pacientes gosta porque se sente no comando”, diz ele. “Eles podem fazer alguma coisa.” 


Maeve Gamble é médica com especialização em reumatologia e atualmente bolsista do programa Dalla Lana Global Journalism.

Este artigo foi publicado originalmente em Undark. Leia o artigo original.


IMAGENS:
Destaque: por nataliaaggiato de Pixabay
2 – Imagem mulher de máscara cheirando uma flor: por engin_akyurt de Pixabay
3 – Imagem potes de vidro com especiarias: por taken de Pixabay
4 – Imagem homem cheirando prato com comida: por danatentis de Pixabay



EuPOSSOmudar

O EuPOSSOmudar tem como propósito informar, esclarecer, elucidar, inspirar, debater, apresentar conteúdos atuais e confiáveis, relacionados a saúde, alimentação, bem-estar, exercícios, suplementação e comportamento, para que você possa refletir, analisar e decidir por promover mudanças em seus hábitos rotineiros em busca de uma melhor qualidade de vida, saúde, satisfação pessoal, para assim ser mais feliz.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

quinze + 9 =