Logo EuPOSSOmudar
Sempre é tempo de mudar...

Diferença entre intolerância e alergia alimentar

 Diferença entre intolerância e alergia alimentar

Alguns dos sintomas de intolerância alimentar e alergia alimentar são parecidos, mas as diferenças entre as duas situações são claras e muito importantes. Entenda nessa publicação.

Alergia alimentar e intolerância alimentar são muito confundidas, pois os sintomas de intolerância alimentar eventualmente se assemelham aos de uma alergia alimentar. Nessa publicação vamos compreender a diferença entre intolerância e alergia alimentar.



Intolerância alimentar

A intolerância alimentar não envolve o sistema imunológico e não causa reações alérgicas graves (conhecidas como anafilaxia). Também não aparece nos testes de alergia.

A intolerância alimentar pode ser um conceito difícil de entender e ainda é pouco compreendida pelos médicos. Às vezes, as substâncias presentes nos alimentos podem aumentar a frequência e a gravidade das dores de cabeça (enxaquecas), as erupções cutâneas (como urticária), também aumentar as perturbações estomacais e do intestino (má digestão, gases, diarreia, azia, náuseas).

Uma resposta à intolerância alimentar ocorre no sistema digestivo. Ocorre quando você não consegue decompor adequadamente os alimentos. Isso pode acontecer devido a deficiências enzimáticas, sensibilidade a aditivos alimentares ou reações a produtos químicos que ocorrem naturalmente nos alimentos. Muitas vezes, as pessoas podem comer pequenas quantidades de alimentos sem causar problemas.

Um exemplo é a situação do leite. Ser alérgico ao leite é diferente de não ser capaz de digeri-lo adequadamente devido à intolerância à lactose.

As reações de intolerância alimentar geralmente estão relacionadas à quantidade de alimento consumido. Eles podem não ocorrer até que uma certa quantidade (nível limite) dos alimentos seja ingerida, mas essa quantidade varia de pessoa para pessoa.

Maiores causadores de intolerância alimentar

Os alimentos que tendem a causar reações de intolerância em pessoas sensíveis incluem: laticínios (incluindo leite, queijo e iogurte), chocolate, ovos (particularmente clara de ovo), intensificadores de sabor (como MSG – glutamato monossódico), aditivos alimentares, frutas cítricas (como morangos e tomates), vinho (particularmente vinho tinto), histamina (e outras aminas em alguns alimentos).

Alergia alimentar

A alergia alimentar é uma reação alérgica a alimentos e envolve o sistema imunológico. Seu sistema imunológico controla como seu corpo se defende. Por exemplo, se você tem alergia ao leite de vaca, seu sistema imunológico identifica o leite de vaca como invasor ou alérgeno. Seu sistema imunológico reage exageradamente ao produzir anticorpos chamados Imunoglobulina E (IgE). Esses anticorpos viajam para células que liberam substâncias químicas, causando uma reação alérgica. Cada tipo de IgE possui um “radar” específico para cada tipo de alérgeno.

Ao contrário da intolerância alimentar, uma alergia alimentar pode causar uma reação séria (anafilaxia) até mesmo com risco de vida, podendo ser desencadeada muitas vezes com apenas uma quantidade microscópica de alimento, também ao tocar ou mesmo ao inalar a comida.

Maiores causadores de alergia alimentar

Oito alimentos causam 90% das alergias: leite, ovo, amendoim, nozes, peixe, mariscos, trigo e soja. No entanto, qualquer alimento pode causar uma reação alérgica.

Os adultos geralmente não perdem suas alergias, mas as crianças podem perdê-las. As crianças são mais propensas a superar as alergias ao leite, ovos e soja do que ao amendoim, peixe e camarão.

Sintomas de intolerância alimentar e alergia alimentar

Estamos entendendo a diferença entre intolerância e alergia alimentar, e existe dúvida, pois os sintomas são realmente muito parecidos. Geralmente, os sintomas causados ​​pela alergia alimentar se desenvolvem logo após o consumo da comida. Embora os sintomas causados ​​pela intolerância alimentar também possam ser imediatos, eles também podem levar de 12 a 24 horas para se desenvolverem.

Os sintomas de alergia e intolerância alimentar também podem ser causados ​​por outras condições, por isso é importante consultar um médico para um diagnóstico mais preciso.



Os sintomas de intolerância alimentar podem incluir:

  • Tremores
  • Suor
  • Palpitações
  • Respiração rápida
  • Dor de cabeça, enxaqueca
  • Diarreia (gases)
  • Sensações de queimação na pele
  • Aperto no rosto e no peito
  • Problemas respiratórios (semelhantes à asma)
  • Reações alérgicas.

Os sintomas de alergia alimentar leve a moderada podem incluir:

  • Comichão, ardor e inchaço na região da boca
  • Inchaço do rosto ou olhos
  • Coceira no nariz com coriza
  • Erupção cutânea (eczema)
  • Urticária (pele vermelha e elevada)
  • Diarreia, cólicas abdominais
  • Dificuldades respiratórias, incluindo chiado e asma
  • Vômito
  • Náusea

Reações alérgicas a alimentos podem ser fatais

A anafilaxia é uma reação alérgica grave que requer atenção médica urgente. Alimentos (como amendoim, nozes, frutos do mar, trigo, leite e ovos), picadas de insetos e alguns medicamentos são os alérgenos mais comuns que causam anafilaxia.

Minutos após a exposição ao alérgeno, a pessoa pode ter sintomas potencialmente fatais, que podem incluir:

  • Respiração difícil ou barulhenta
  • Inchaço da língua
  • Inchaço ou aperto na garganta
  • Dificuldade em falar
  • Voz rouca
  • Chiado
  • Tosse persistente
  • Tonturas persistentes ou colapso
  • Ficando pálido e flexível (em crianças pequenas)

Vários fatores podem influenciar a gravidade da anafilaxia, incluindo exercícios, calor, álcool, quantidade de alimentos ingeridos e como os alimentos são preparados e consumidos.

Para evitar lesões graves ou morte, uma pessoa com anafilaxia requer uma injeção de adrenalina.

Pessoas que são avaliadas como em risco de anafilaxia podem ser recomendadas a carregar consigo um autoinjetor que contém uma única dose fixa de adrenalina. Eles são projetados para serem utilizados por pessoas não médicas e devem ser administrados no músculo externo da coxa no caso de uma reação alérgica grave.

Leia também:

Adrenalina autoinjetável no Brasil

Ainda não existe no Brasil o registro desse medicamento em sua forma autoinjetável. Quem solicita o registro é o laboratório produtor e por razões comerciais não há ainda interesse em tais empresas comercializarem esse medicamento aqui no Brasil. Por ora, os portadores de anafilaxia são obrigados a comprar a medicação no exterior, através de importadoras, o que infelizmente acaba encarecendo o produto e limitando o acesso.

Tratamento para intolerância e alergia alimentar

Seguimos em busca de compreender a diferença entre intolerância e alergia alimentar. Quanto ao tratamento, a maneira mais fácil de tratar uma intolerância ou alergia alimentar é eliminar o alimento causador da dieta. Para pessoas altamente alérgicas, mesmo pequenas quantidades de um alérgeno, como um grão de amendoim por exemplo, podem desencadear uma reação.

Como dito acima, depois de identificar o alimento você deve parar de comê-lo. Isso pode significar a leitura de listas longas e detalhadas de ingredientes, porque muitos alimentos que desencadeiam alergias estão em coisas nas quais você não esperaria encontrá-los. Amendoins, como no nosso exemplo, podem ser incluídos em proteínas, e ovos em alguns molhos para salada. Nos restaurantes, você pode ter que perguntar sobre os ingredientes que estão em pratos específicos.

Às vezes, o corpo pode tolerar a comida se for evitada por um tempo e depois reintroduzida em pequenas doses, principalmente para intolerâncias alimentares. Antes de eliminar ou reintroduzir os alimentos, procure orientação de um médico especialista e nutricionista.



O choque anafilático é uma forma de anafilaxia.

Choque anafilático

Existe confusão com os termos “anafilaxia” e “choque anafilático”, se considerando que as duas doenças significam o mesmo, mas na verdade não são exatamente a mesma coisa. Como vimos até aqui, a anafilaxia é uma doença grave, aguda, que pode ser fatal e que se caracteriza pelo aparecimento de sintomas de pele e outros internamente no organismo.

Quanto mais sintomas, principalmente cardíacos e neurológicos, mais grave é a anafilaxia. O “choque” é uma condição clínica onde há falência da circulação, ou seja, o sangue não consegue chegar até os órgãos periféricos por causa da queda da pressão arterial e alterações da microcirculação. É uma situação gravíssima, com alta mortalidade.

Existem várias causas de choque e a anafilaxia é uma delas. Portanto, o choque anafilático é uma forma de anafilaxia. É muito importante se reconhecer prontamente os primeiros sintomas da anafilaxia, pois o tratamento rápido é fundamental para que a doença não evolua até o choque.

Saiba mais:


Esperamos ter ajudado quanto ao entendimento da diferença entre intolerância e alergia alimentar. A anafilaxia é grave e muito séria. Fique atento!

Se você já teve reação ou conhece alguém que teve, sabe do perigo real que os cerca. Considere providenciar a aquisição do dispositivo autoinjetável como integrante do plano de ação para uma emergência. Saiba mais sobre a aquisição do dispositivo no site Alergia Alimentar Brasil.


IMAGENS:
Destaque: Por EgoArtZ de Pixabay
Imagem 1 (abelha): Por PublicDomainPictures de Pixabay



EuPOSSOmudar

O EuPOSSOmudar tem como propósito informar, esclarecer, elucidar, inspirar, debater, apresentar conteúdos atuais e confiáveis, relacionados a saúde, alimentação, bem-estar, exercícios, suplementação e comportamento, para que você possa refletir, analisar e decidir por promover mudanças em seus hábitos rotineiros em busca de uma melhor qualidade de vida, saúde, satisfação pessoal, para assim ser mais feliz.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

17 − catorze =